[Politica]

Ads Top

Aécio radicaliza posição de não indicar nomes a Temer e critica barganha de cargos


No almoço desta terça-feira no Palácio do Jaburu com o vice-presidente Michel Temer, o presidente nacional do PSDB Aécio Neves(MG) e os líderes Cássio Cunha Lima (PB) e Antônio Imbassahy (BA), o cardápio será indigesto. Instado por governadores e membros da Executiva nacional, Aécio fará duras críticas ás barganhas feitas pelo eventual futuro presidente, barganhando cargos com partidos que estavam há algumas semanas na base do governo do PT. 

O presidente tucano vai entregar um documento com 15 propostas que servirá como base para o apoio congressual, mas deixará claro que se ele escolher nomes no PSDB para sua equipe, isso será respeitado, mas não será por indicação do partido.

Na reunião, os dirigentes do PSDB deixaram claro que não querem perder a condição de oposição, e ter a mesma cara do PR, PP e outros partidos que sustentaram o governo Dilma Rousseff até outro dia. Na saída da reunião da Executiva, ao lado dos governadores, Aécio disse que já tinha feito chegar a Temer essa preocupação do PSDB de que, pressionado pelas dezenas de partido que compunham a base de Dilma, ele perca a autonomia para fazer as reformas necessárias.

— O que está vindo aí é muito feio. É tudo, o PR nos Transportes, o PP no comando da Caixa Econômica que está com um buraco enorme em suas contas, o bispo na Ciência e Tecnologia. O risco é de que, dentro de 15 dias, o governo Temer tenha a mesma cara do governo Dilma, com o PT na oposição. O PSDB começou a ser tratado como os outros partidos: esse tem 40 deputados e merece ter tal ministério. Nós não queremos nada. Vamos apoiar com o apoio a princípios e medidas para tirar tirar o Brasil do caos econômico e social, mas sem barganhar cargos. Se ele quiser escolher alguém do PSDB, vamos respeitar, mas não indicar — alertou Aécio, durante a discussão com governadores e membros da Executiva.

Essa preocupação, de que o PSDB assuma a fisionomia do fisiologismo na composição do governo Temer, foi reforçada pelos governadores durante a reunião.

— O que queremos é contribuir com a agenda de reformas, mas manter a nossa cara, a nossa história, o nosso programa e o nosso projeto, diferente do que os governos Lula e Dilma fizeram _ declarou o vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, após a reunião, disse que acabou prevalecendo o que defendeu desde o início: apoiar o governo de transição no Congresso, sem negociar cargos.

— A composição do governo é uma preocupação. Virada essa página ( do impeachment da presidente Dilma ) espera-se uma prática política renovada. E o PSDB quer dar o exemplo — disse Alckmin.

— O PSDB está certo ao encaminhar o documento com os 15 princípios para condicionar o apoio congressual, mas barganhas de cargos não é com a gente. O que queremos é fortalecer o pacto federativo, governador nenhum depende de cargos, queremos autonomia institucional — completou o governador de Goiás, Marcone Perillo.

Presentes na reunião, o senador José Serra (SP) e o deputado Bruno Araújo (PE) disseram que a discussão se deu em torno do documento e que não se avançou sobre convites para integrar a equipe de Temer, assunto ainda tratado como especulação .

Apoio do partido haverá. Estamos contribuindo com a Carta Compromisso com os 15 pontos, que eu tenho certeza o Temer vai apoiar. É uma contribuição, não é uma imposição condicionada a apoio do partido — disse Serra.

Aécio disse que foi uma reunião histórica onde se chegou ao consenso de dar a Michel Temer liberdade absoluta para compor seu governo sem indicar nomes e se diferenciar das pressões que vem recebendo de outras legendas.

— Pelas notícias que nos chegam hoje, estamos preocupados com a forma como o governo está sendo construído. Há uma preocupação em relação a capacidade que Temer possa ter de assumir a liderança que precisa para fazer as reformas necessárias. Os governadores defendem uma agenda de reequilíbrio federativo, com novos indexadores da dívida. A agenda de reformas é o que nos interessa. Já fiz chegar a interlocutores de Temer nossa preocupação, que foi levantada com muita ênfase pelos governadores nas conversas que tivemos hoje. Eu levo o sentimento coletivo — disse Aécio, antes de ir para o encontro com Temer.
publicidade
Aécio radicaliza posição de não indicar nomes a Temer e critica barganha de cargos Aécio radicaliza posição de não indicar nomes a Temer e critica barganha de cargos  Reviewed by Ze Felipe on 3:00:00 PM Rating: 5