[Politica]

Saída de Dilma desemprega baianos com cargos federais


  • Caso se confirme impeachment da Dilma, uma legião de aliados do governo petista estará desempregado

Não é só a presidente Dilma Rousseff (PT) que está esvaziando as gavetas do gabinete e recolhendo “as tralhas” que ganhou durante a sua passagem no Palácio do Planalto para serem transferidas ao Alvorada – o local que Dilma escolheu para se manter na “resistência” pelos 180 dias que ficar afastada do cargo, caso o plenário do Senado acate, nesta quarta-feira, a continuidade do processo do seu impeachment.

A eventual assunção do vice Michel Temer (PMDB) à Presidência vai desempregar uma legião de aliados que, nos últimos 13 anos de governo petista, tem ocupado postos no Palácio do Planalto, na Esplanada dos Ministério e em estatais.

Na Bahia, o desembarque atingirá em cheio os ministros Jaques Wagner, chefe do gabinete da Presidência da República, e Juca Ferreira (PT), da Cultura, e outros 13 representantes do PT, PCdoB, PDT, PP hoje acomodados na máquina pública.

Segundo o site Contas Abertas, o Executivo Federal abriga cerca de 100 mil cargos, funções de confiança e gratificações. Desses, mais de 20 mil são de livre nomeação, ou seja, a autoridade pode indicar pessoas de fora do serviço público.


Destituídos

Dos que retornam sem emprego estão oito petistas: o ex-secretário de Comunicação de Wagner, Robinson Almeida, que é secretário executivo do Ministério do Trabalho e Previdência Social; o ex-reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Paulo Gabriel Soledade Nacif, hoje titular da Secretaria de Educação Continuada (Secadi) do Ministério da Educação (MEC), e o cineasta Pola Ribeiro, ex-diretor do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb), que deixará a Secretaria do Audiovisual (SAV) do Ministério da Cultura.

Nesse grupo também figuram Éden Valadares, ligado a Wagner e atual assessor especial da Casa Civil da Presidência da República. Já Eva Chiavon, que era secretária da Casa Civil no governo Wagner e assumiu a chefia da Casa Civil da Presidência em março, com o impedimento de Lula tomar posse no cargo, também deve retornar para a Bahia.

Os outros petistas são: Reginaldo Barros, ex-pró reitor da URFB com cargo no ministério da Reparação; Luiz Gugé, superintendente regional do Incra na Bahia; Wellington Rezende, delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário no estado, e José Maria Dutra, superintendente da Delegacia Regional do Trabalho.

Também voltam para casa os comunistas Ney Campello e Vicente Neto. Campello, que foi secretário de Educação de Salvador e titular da secretaria estadual para Assuntos da Copa 2014, deixará uma das vice-presidências dos Correios. Vicente Neto, que presidiu a Embratur e ocupou cargo no Ministério dos Esportes, perderá a Superintendência Regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) na Bahia.

Do PDT ficará desalojada a ex-vereadora Andrea Mendonça, hoje ocupando uma vice-presidência dos Correios. Ela já foi secretária de Desenvolvimento, Trabalho e Emprego na administração do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), e de Ciência e Tecnologia no governo Jaques Wagner.

A medida atingirá, ainda, Prudente José de Morais (PP), ex-prefeito de Santa Maria da Vitória, que está à frente da Superintendência da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba), na regional de Bom Jesus da Lapa.

Sem acordo

Apesar de o afastamento de Dilma atingir petistas ilustres e outros agentes públicos, não há, por ora, nenhum movimento no sentido de serem reaproveitados no governo do estado. Nem mesmo o ministro Jaques Wagner – cujo nome foi incluído no principal inquérito da Operação Lava Jato e uma secretaria lhe daria direito a foro privilegiado – tem emprego assegurado.

Indagado sobre o assunto, o governador Rui Costa (PT) afirmou: “Ficaria muito honrado com a contribuição que ele (Wagner) ou outros técnicos possam dar, mas reitero que há nenhuma conversa. Até aqui, isso não está no horizonte meu e dele”.

À coluna Tempo Presente, de A TARDE, o ministro negou a pretensão de ocupar uma secretaria de estado, caso o Senado acate a continuidade do processo de impeachment da presidente. Wagner disse que ficará morando na Bahia e, daqui, ajudando Dilma a montar a sua defesa.

O ministro Juca Ferreira, que na sexta-feira participou, em Salvador, do lançamento do programa Teia Nacional dos Pontos de Cultura 2016 e da entrega de unidades do Minha Casa, Minha Vida em Camaçari, esclareceu que seu foco ainda é a cultura. “Continuarei trabalhando enquanto o governo Dilma estiver funcionando plenamente”.

Um dos pré-candidatos do PT à prefeitura de Salvador em outubro, Juca diz que só está aguardando a decisão do partido para “mergulhar” na campanha.

O presidente estadual do PCdoB, deputado federal Daniel Almeida, rechaçou que o governador tenha “obrigação” de acolher aliados desabrigados no governo federal. “Esta questão não está em pauta. Ney Campello e Vicente Neto são excelentes quadros técnicos, mas quem está em cargo de confiança sabe que, assim como assumiu, pode sair a qualquer momento”.

Já Andréa Mendonça, de acordo com o presidente do PDT na Bahia, deputado federal Félix Mendonça Jr., cumprirá a “quarentena” (seis meses após exoneração), para só depois avaliar possíveis atividades
Saída de Dilma desemprega baianos com cargos federais Saída de Dilma desemprega baianos com cargos federais Reviewed by Ze Felipe on 9:02:00 PM Rating: 5