[Politica]

Wagner Moura é mais desonesto que Pablo Escobar ao defender Lei Rouanet para artistas ricos



O ator Wagner Moura, um defensor inveterados do governo mais corrupto da história do país, se pronunciou nesta sexta­feira, 13, sobre o fim da mamata da Lei Rouanet. Dissimulado, o ator recorre à subterfúgios desonestos ao insinuar que "forças ocultas" estão por trás de uma conspiração para criminalizar artistas milionários que se aproveitavam da "simpatia" do PT para captar fortunas em dinheiro do contribuinte. Moura tenta inverter a ordem das coisas de forma desonesta ao insinuar que a população não tem discernimento próprio. O ator duvida da capacidade do cidadão de entender que não é correto que artistas ricos como Chico Buarque, Maria Bethânia e Jô Soares consigam milhões em dinheiro do contribuinte, enquanto milhões de brasileiros padecem por falta de hospitais, escolas e saneamento básico. O povo sabe que ele e estes artistas são puxa­sacos do governo, que os contemplou com incentivos generosos em troca de apoio político. Durante os governos do PT, a Lei Rouanet se tornou quase um meio legalizado de desvio de verbas públicas em favor de artistas preguiçosos.

Em qualquer lugar do mundo, o artista prevalece sobre o próprio talento, e não às custas do dinheiro do povo. Se o brasileiro tem inteligência suficiente para concluir que o governo usou seu dinheiro para sustentar artista vagabundo para comprar seu apoio político, não adianta espernear. Tentar sequestrar a cultura para se apropriar do dinheiro do contribuinte é uma atitude criminosa sim, num país pobre, sem saneamento, sem hospitais e sem escolas. O Cineasta Fernando Meirelles tem uma opinião diferente sobre a fusão do Ministério da Cultura ao Ministério da Educação: "Todo mundo acha que o Brasil precisa diminuir o número de ministérios mas ninguém quer perder o “seu” ministério. Na cultura deve acontecer o mesmo. Imagino que meus colegas tenderão a não gostar da idéia. 

Não sei qual seria o plano e o que isso pode gerar de perdas para a produção cultural, mas me ocorre que para a educação, estar mais ligada a cultura pode ser interessante e ha maiores chances disso acontecer se houver uma cabeça pensando ambas as áreas. Talvez nem seja tão bom para os produtores culturais mas se for bom para a educação, se alunos tiverem mais acesso a cultura, já estaria valendo. Vamos ver o que vem", opinou o cineasta. Abaixo, a declaração de Wagner Moura sobre a fusão dos Ministérios e o fim da farra de artistas milionários com dinheiro público. " ". Em qualquer lugar do mundo, o artista prevalece sobre o próprio talento, e não às custas do dinheiro do povo. Se o brasileiro tem inteligência suficiente para concluir que o governo usou seu dinheiro para sustentar artista vagabundo para comprar seu apoio político, não adianta espernear. Tentar sequestrar a cultura para se apropriar do dinheiro do contribuinte é uma atitude criminosa sim, num país pobre, sem saneamento, sem hospitais e sem escolas. Já era de se esperar. 

Tem havido um movimento desonesto de convencimento público da desimportância da cultura e da criminalização dos artistas que fazem uso da Lei Rounet (que contraditoriamente é uma lei de viés neoliberal que estava sendo revista pelo Minc). A ideia de que o MinC e as leis de incentivo à Cultura não passam de uma maneira do governo sustentar artista vagabundo e comprar seu apoio político ganhou extraordinária e surpreendente aceitação popular. E como nos momentos de crise a cultura é a primeira que roda, o fim do MinC, sob a ótica do Estado enxuto e sob o entendimento popular de que artistas não passam de vagabundos que mamam nas tetas do Estado, infelizmente, não é uma surpresa. E a tendência é piorar.
Wagner Moura é mais desonesto que Pablo Escobar ao defender Lei Rouanet para artistas ricos Wagner Moura é mais desonesto que Pablo Escobar ao defender Lei Rouanet para artistas ricos Reviewed by Ze Felipe on 8:08:00 PM Rating: 5