[Politica]

Ads Top

Sem acordos comerciais com países de outras partes do mundo "o Mercosul está perdido", diz Astori


A crise pela qual o Mercosul atravessa por conta da passagem da presidência rotativa do bloco à Venezuela, não tem "saída clara no curto prazo", afirmou nesta quinta-feira o ministro da Economia do Uruguai, Danilo Astori.

O Mercosul tem "problemas institucionais graves", disse Astori. Foi um bloco criado com muita ambição no começo", mas agora tem "uma enorme fragilidade do ponto de vista institucional", ressaltou.

O bloco integrado por Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela, fundado em 1991, atravessa uma situação de completa e absoluta estagnação por diferenças que parecem irreconciliáveis entre os sócios acerca da passagem da presidência pro tempore à Venezuela.

"É preocupante a situação do Mercosul. Nunca tínhamos chegado a essa situação", opinou o ministro da Economia uruguaio. "Não vejo uma saída clara no curto prazo", disse Astori em uma coletiva organizada por sindicatos patronais em Montevidéu.

Para o ministro da Economia uruguaio, que deve participar neste sábado com o chanceler de uma reunião do chanceler de uma reunião do Conselho do Mercado Comum (CMC) do Mercosul convocada pelo Uruguai para contornar a crise, e que terminou sendo suspensa segundo informou nesta quarta-feira à AFP, só os acordos extra-zona poderão salvar o bloco de um desastre.

Sem acordos comerciais com grupos de países de outras partes do mundo, "o Mercosul está perdido para sempre", concluiu Astori.

Astori se referiu principalmente à busca de um acordo de livre-comércio negociado há anos com a União Europeia, que está em etapa de troca de ofertas tarifárias.

O Uruguai quer passar a presidência rotativa do Mercosul à Venezuela. Mas Brasil e Paraguai se opõem que o governo de Nicolás Maduro assuma o comando da agenda e dos trabalhos do grupo devido à situação política que atravessa o país caribenho.

Brasil quer que essa discussão seja adiada até agosto, enquanto o Paraguai tem afirmado reiteradamente que considera que o governo de Maduro tenta silenciar seu Parlamento e que não deveria assumir a representação do bloco regional até que demonstre seu compromisso com a democracia.

A passagem da presidência à Venezuela, último dos sócios a entrar no bloco, não está prevista nas normas do Mercosul.

A cada seis meses, a presidência do Mercosul muda de mão. Tradicionalmente essa mudança acontece nas cúpulas, mas nenhuma das normas internas do bloco determina que seja assim.

Há 15 dias, o governo de Tabaré Vázquez convocou uma reunião do CMC para sábado, 30 de julho.

A suspensão dessa reunião constitui o terceiro fracasso consecutivo do Mercosul para solucionar essa crise em um encontro com presença de todos os sócios, após o cancelamento da cúpula presidencial que deveria ser realizada neste mês.

Em declarações recentes à imprensa local, o chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, definiu em poucas palavras a situação do Mercosul por este inédito desacordo: "Estamos em um verdadeiro problema, um grande problema".

A Venezuela entrou no Mercosul em 2012 em uma polêmica reunião de presidentes celebrada na Argentina da qual o Paraguai não participou, suspenso pela deposição do presidente Fernando Lugo.

Os presidentes Cristina Kirchner (Argentina), Dilma Rousseff (Brasil) e José Mujica (Uruguai), decidiram então aprovar a entrada da Venezuela, que não havia sido concretizada por falta de aprovação do Senado paraguaio.

(Istoedinheiro)

publicidade
Sem acordos comerciais com países de outras partes do mundo "o Mercosul está perdido", diz Astori Sem acordos comerciais com países de outras partes do mundo "o Mercosul está perdido", diz Astori Reviewed by Ze Felipe on 7:52:00 PM Rating: 5